domingo, 30 de dezembro de 2012

Escondida

Estou escondida
Estou mais refugiada
Ainda não decidi
Se quero ser encontrada

Por vezes não quero
Afinal quem não gosta de ser encontrado?

Outras mudo de ideias,
Não quero das satisfações
São sempre tão feias,
Tão expostas

Então espero
O tempo trará as respostas

Marisa V

Tu, mudas o ano...

O ano muda,
Mas não muda sozinho
Tu é que o fazes mudar,
Tu é que o fazes rodar,
Consoante as metas que queres alcançar…

O ano muda,
Mas não vem de bagagem,
Cheia de amor e alegria,
Tu é que a cada dia,
Tens de lutar por uma alegria,
Tu é que cada dia,
Tens de lutar por um amor,
Tu é que a cada dia,
Podes mudar o ano…

O ano muda,
Mas não sabe o que queres,
Não sabe pelo que lutas,
Não sabe o que desejas,
Ele é um mero numero,
Acompanhado por muitos dias,
Os 365 dias, que te dá,
Para mudares a tua vida…

O ano muda,
Muda porque o fazes mudar,
Muda porque és tu, que tens de lutar,
Para que amanhã haja o que festejar…


Susana V


Sorrir

“Sorri quando a dor te torturar
a saudade atormentar
os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar,
quando nada mais restar
do teu sonho encantador.

Sorri quando o sol perder a luz
e sentires uma cruz
nos teus ombros cansados doridos.

Sorri vai mentindo a tua dor
E ao notar que tu sorris,
Todo mundo irá supor
Que és FELIZ.”


Charles Chaplin

sábado, 29 de dezembro de 2012

Já nada é como era

Porque é que tinhas de mudar?
Porque é que tinhas de ficar assim?
Eu sei que nada é eterno,
Que à medida que passa o tempo
As coisas vão mudando,
Tudo vai piorando

Já nada é como era
Sei que é inevitável
Mas podias ser mais estável

Cresci contigo a meu lado
Sempre pronta a ajudar
Sempre disponível para me apoiar

Hoje já mal te conheço,
Olho para trás
E já não consigo me rever
Os bons momentos passados

Olho para a frente
E por mais que tente
O que eu consigo prever
É mais pura escuridão

Tenho medo
Não sei com lidar com a situação
Não sei o que dizer, o que fazer

Tudo o que faça ou diga
Tu censuras
Sinto-me marcada pela caneta vermelha
Com que rasgas o meu coração

Por te estares a tornar noutra pessoa
Por não suportar viver contigo

E eu tentei,
Eu tento ainda

Quantas vezes respiro fundo…
Quantas vezes me calo…

E cada silêncio meu
Perdido em mais um ataque teu
É-me como um estalo
Que me deita ao chão

O chão…
Nem chão tenho
Já não sei onde me amparar

Sou das tuas vítimas preferidas
Eu que sempre estive aqui
Ao pé de ti
Quando te sempre queixaste
De estares sozinha

Mas é assim
Diz que são os mais próximos que mais sofrem
Os outros apenas permanecem
Na ignorância do que eu sofro

Os outros são uns santos sem altar
Eu, nós somos as odes de malfadar
O aglomerado de todos os defeitos
Padecentes dos teus feitos

Quero fugir
Mas não tenho para onde
Quero-me afastar
Preciso de te não ouvir
Preciso da paz que me tiraste

Que me tiras todos os dias
Com todas as tuas manias
De me criticar
Fazes-me sentir que este não é o meu lugar

Marisa V

Um novo ano... uma nova luta...


Faz a tua vida valer a pena
Escolhe os teus caminhos,
Luta pelos teus objectivos
Ignora o que te faz mal
Centraliza as tuas metas
Idealiza os teus sonhos
Dá mais de ti, a ti mesmo
Ama quem te ama
Dá sentido à tua vida
Escuta teu coração
Supera teus medos

Prioridade é viver
Amando o que se vive,
Remar é lutar, querendo viver
Amando com quem se vive…

Ouve sempre teu coração, aquele que grita a razão…

Nega as tristezas
Ouve as alegrias
Vê outras vidas
Ouve outras histórias

Amanhã pode ser tarde,
Não percas tempo, o tempo voa,
Ouve teu coração e voa tu, antes que o tempo voe e tu não venças tuas vitórias….







Susana V


sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Maior riqueza ...


Velozmente corro, 
Corro rasgando o vento,
Na pista da natureza,
Aquela que alimenta meu pensamento,
De pureza…

Meus cabelos esvoaçam,
No meio do verde verdejante,
No campo da simplicidade
Aquele que alimenta meu espírito,
De felicidade…

Minha boca canta,
No meio do barulho dos pássaros,
Na passadeira da cantoria,
Aquela que alimenta meu dia
De alegria…

No meio do verde corro,
No centro do verde canto,
No meio do verdejante sorrio,
No centro do verdejante felicito,
A maior riqueza,
A natureza …

Susana V

Planos

Planos
São miragens no deserto
Do querer
Que nos parecem tão perto
E quando chegamos ao local
Nada existe afinal

O verbo no futuro
Só existe para sonhar

De nada serve programar
O aqui e ali
Com este ou mais alguém

Porque neste peça de final aberto
Sem destino certo
Nada nem ninguém
Nos pode dar convicções

Num deserto fora do mapa
Caminhamos por ilusões
Adormecidos nas miragens do sonhar
Acordados no inferno calor
Da verdade que nos tapa
O ócio de sonhar
E nos faz lembrar

Que nem toda a luz
É o ouro que esperamos
Mas sim um sonho que nos seduz

Marisa V

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Há dias assim...

Há dias assim,
Que não sei o porque,
Nem o porque sim,
De estar assim…

Não sei,
Não sei o que escrever,
Mas quero escrever,

Não sei,
Não sei o que fazer,
Mas algo quero fazer…

Não sei,
Não sei o que criar,
Mas quero alguma coisa dar,
Ao papel, que também não sei,
Qual quero marcar… 

Há dias assim,
Que quero escrever e não sei,
Outros que sei e não quero escrever...

Há dias assim,
Que não sei o que dizer,
Ao papel que me tende a oferecer,
Seu ouvido para me ouvir…

Há dias assim,
Que não sei o porque,
Nem o porque sim…





Susana V

O meu D. Sebastião

Numa manhã de nevoeiro
Espero à janela por D. Sebastião
Que devia voltar para me salvar

É o que diz a história,
É o que escreveu o poeta,
É o que o passou de geração em geração

Numa manhã enublada
Resta-me a luz da memória
E de uma ou outra canção

De uma manhã de Inverno
Sai uma tarde de Verão
E eu saio porta fora a cantar
Pronta para descobrir o mundo a dançar

Crio o meu próprio D. Sebastião,
É essa a verdadeira salvação.

Marisa V

Poeta escondido...

Do texto vulgar escrito,
Sai a mais profunda verdade escrita…

As coisas vulgares da vida,
Cantam a mesma nota,
A nota da espontaneidade,
Ambas fazem o mesmo tom na vida,
De quem as escreve, lê ou fala...

Palavra puxa palavra,
Frase desencadeia frase,
Estrofes atrás de  estrofes,
Formam poema escrito,
Pela alma do poeta escondido...

Susana V

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Espírito de natal...

O céu estrelado,
Ilumina cada casa,
Com a magia do esperado,
Natal...

O quentinho da casa,
Acolhe a família,
Que unida festeja,
O Natal...

O bacalhau é o prato principal,
O bolo rei o doce tradicional,
Que faz as delicias,
Do natal...

O amor é a base da consoada,
Aquele que bate em cada coração,
Despertando emoção,
No espírito do natal...

Natal é sinonimo de união
Família, amor e perdão...

Natal é partilha de gestos e afectos,
É troca de palavras e acções,
É presentes oferecidos, sem serem pedidos,
Os afectos, os carinhos, os gestos ...

Natal é um espírito,
Que se deve manter a cada dia que se vive...



Susana V





domingo, 23 de dezembro de 2012

Natal é…


Natal…
É minutos de felicidade,
É horas de harmonia,
É dias de partilha,
É semanas de cantoria,
É meses de amor,
É anos de bondade,
É uma eternidade de magia…

Natal…
É todos os dias que cada um de nós,
Encontre felicidade,
Procure harmonia,
Semeie partilha,
Realize cantoria,
Lute por amor,
Espalhe bondade...

Natal
É viver o natal,
Todos os meses do ano…

Susana V

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Sorriso Audível das Folhas



Sorriso audível das folhas
Não és mais que a brisa ali
Se eu te olho e tu me olhas,
Quem primeiro é que sorri?
O primeiro a sorrir ri.

Ri e olha de repente
Para fins de não olhar
Para onde nas folhas sente
O som do vento a passar
Tudo é vento e disfarçar.

Mas o olhar, de estar olhando
Onde não olha, voltou
E estamos os dois falando
O que se não conversou
Isto acaba ou começou?

Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"


Encurralada

Muro duro
Que me tapa o horizonte

Fortaleza alta
Que me deixa indefesa,
Sufocada

Encurralada
Entre grandes muralhas
Fico sem ar

Ardo rapidamente
Como fogo em fardos de palha

Sobressalto
Pesa-me o medo
Pesa-me o mundo

Estou quase a desistir
Não posso desistir
Tenho que dar o salto

O muro é tão alto
Estou rodeada de muros
É como se não houvesse saída

O mundo conspira
Contra a minha partida

Tenho que arranjar solução
Só vejo escuridão

Marisa V

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Magia do mar...

Lá longe, os raios de sol,
Desaparecem,
Aqui perto as ondas,
Aparecem…

Lá longe, vê-se o por do sol,
Aqui perto, sente-se a magia,
A magia que o sol aquece,
Há medida que suavemente desaparece…

Lá do outro lado do oceano,
Não sei o que se vive,
Aqui só sei que vive,
A magia do oceano,
Aquela que não sei explicar,
Aquela que só sei sentir,
E transmitir …

Oceano,
A sua melodia,
É a minha musica,
O seu cheiro,
O meu perfume,
A sua areia,
As minhas baterias,
Que levo nos bolsos,
Enchendo minha alma,
De calma,
A calma que preciso,
A tranquilidade que necessito,
Para enfrentar os dias,
Com um sorriso na cara,
Por vezes molhada do doce das lágrimas ...

À beira-mar,
Sinto a magia,
Aquela que não se explica,
Só se sente,
Porque o mar,
É para ser sentido,
Não ser explicado…

Mar é para ser ouvido,
É para ser vivido,
A cada onda batida na areia,
Estendida no areal...




Susana V


Abraço


Abraço
É um beijo que aconchega
É uma palavra que protege
No silêncio que tudo diz

Abraço
Bem apertado com amor,
Com amor condiz

Abraço
Que devia ser eterno
De tão terno que é

Abraço transparente
Que me acalma a mente
Nunca mente a emoção

Abraço abrasador
Adoça-me o seu sabor apaixonado
Num clima quente enamorado,
Enfeitiçado
Pela paisagem da partilha
Que o meu olhar brilha
Perante o teu abraço

Marisa V

domingo, 16 de dezembro de 2012

Porto seguro

És o meu porto seguro
De sempre e para sempre
Há mais tempo do que me lembro

És tu que eu procuro
Para um abraço apertado
Num dia escuro
Em que me sinto sem vida
Em que choro tudo
E não sou nada

Promete que não desapareces
Promete que não me deixas
Como me deixou tudo o resto

Promete que ficas aqui
Como sempre aqui estiveste
Pronta para mais um abraço

Quando eu penso que não presto
Tu sempre estás a meu lado
Para me dares aconchego
Neste silêncio de desassossego
Quebrado pelo choro que teima em gritar
Como me grita a desdita
Minha doce e eterna Tita

Marisa V

Perguntas à vida...

Oh vida,
Porque mandas tempestades,
E não só felicidades!?

Oh vida,
Porque trazes maldade,
E não bondade!?

Oh vida,
Porque dás dor,
E não amor!?

Sim, eu percebo,
Que as tempestades,
São necessárias,
Para dar valor ás felicidades…

Sim, eu percebo,
Que a maldade,
É precisa,
Para valorizar a bondade…

Sim, eu percebo,
Que a dor,
É o oposto do amor,
E que só depois da dor,
Se entende o verdadeiro amor…

Sim, tudo percebo,
Mas nada entendo,
Não entendo,
Porque dás o dom,
Ao ser humano,
De fazer sofrer,
Impedindo de viver,
Outro ser humano,
Que só quer sobreviver…

Perguntas eu pergunto,
À professora chamada Vida,
Respostas eu escuto,
Pela voz suave da vida,
Que diz: - Eu não sou feita para me compreenderem,
Sou feita para me viverem...
Eu dou as perguntas,
Tu procuras as respostas,
Que talvez nunca entrarás...




Susana V

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Amor

Amor
É simplesmente amar-te

Amor
É simplesmente ter-te

Amor
És simplesmente tu
Que me amas a nu
Só com uma razão:
Amor

Marisa V

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Eu acredito


Eu acredito
Porque preciso de acreditar
Para viver

Eu acredito
Porque preciso de acreditar
Para sonhar

Um sonho só é sonho
Quando é sonhado a acreditar
Quando se acredita
Que ele se vai realizar

Eu acredito
Porque acreditar
É o primeiro passo para vencer

Eu acredito
Porque acreditar
É a razão do meu viver

Marisa V

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Jóias no coração

A vida é um acumular de momentos,
Que todos nós construímos,
A vida é uma união de momentos,
Que todos nós contribuímos...

Nós todos juntos,
Construímos amizades,
Nós todos juntos,
Contribuímos com personalidades,
Com a nossa personalidade,
Com a nossa essência,
Aquela que é depositada no seio de amizades...

Todos juntos formamos o nosso mundo,
O mundo, que para nós é perfeito,
Onde existe, o verdadeiro sentido da vida,
A partilha de afectos,
Onde o perfeito,
É amizade criada,
Jamais largada,
É amizade que dá sentido à vida,
Jamais terminada,
Sem antes, ser intensamente vivida...

Cada coração palpita,
Com alguma palavra dita,
Cada coração bate,
Com alguma vibração sentida,
A vibração de pertença....

Cada um de nós,
Integra e faz integrar,
Alguém que só quer partilhar,
Amizade em troco de amizade...

Cada um de nós é rico,
Guarda sempre um bocadinho de todos,
O bocadinho que cativou o tesouro,
O coração...
Cada um é especial,
Pelo que é,
E é esse especial,
Que se chama essência humana,
E é a essência humana,
A que o tesouro guarda, sem deixar que ninguém roube,
As pedras preciosas,
Nele fechadas a sete chaves,
No coração...

Cada um em algum momento foi insubstituível,
Assim como criou algum, momento inesquecível,
Aos olhos puros,
Do coração...

Susana V

Saudade...

Saudade,
Esse fado tão português

Saudade,
Que eu canto a chorar

Saudade
Que me faz tremer

Saudade
Que me corre nas veias

Saudade
Que me palpita no coração

Saudade,
Triste lamuriar

Saudade
Das vidas cheias

Saudade,
Minha solidão

Marisa V

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Nó do amor...

São dias que vivo,
Junto de pessoas que admiro,
São dias que admiro,
A vida que vivo...

São meses que vivo,
Perto de amigos que amo,
São meses que amo,
As amizades que vivo...

São anos que vivo,
Próximo da família que adoro
São anos que adoro,
A família com quem vivo...

São um acomodar dias,
Uma junção de meses,
Um culminar de anos,
Uma união de laços...

Laços...
Laços criados,
Em redor de quem se deixou apertar,
Laços enrolados,
Em volta de quem se deixou enrolar,
No laço do amor,
Naquele que não enfeita,
Naquele que só aperta,
Não deixando dor,
Mas sim amor,
Amor entre o nó do laço,
Nós...

Laço aperta,
Unindo pessoas,
Unindo o que depois de apertado,
Jamais será desatado
O nó de amor...

Susana V

Se eu te encontrar

Se eu te encontrar
E não te abraçar
É por falta de coragem

Se eu te encontrar
De certo que te vou sorrir
Mas quando me afastar
De certo que vou chorar

Pela minha cobardia
De não te abraçar
Pela a ausência do teu carinho
De não me abraçares

Marisa V

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Verdade

De quem é a verdade?
É minha?
É tua?

Não é minha,
Não é tua
É de cada um
Não é de ninguém

Verdade é o que digo
Verdade é o que ouvem

Verdade é o que escrevo
Verdade é o que lêem

Verdade é o que sinto
Verdade é o que pensam que sinto

Verdade é de cada um
Como a vê com o seu olhar

Cada olhar é diferente
Cada verdade mente

Mente por si só
Por não ser de ninguém

Verdade é de quem a vive
Verdade é de quem a tem

Marisa V

domingo, 9 de dezembro de 2012

Juntos fazemos vida...

Que para se ser feliz,
Não se deixe de amar o próximo…

Que para se sorrir,
Não se deixe os outros a chorar…

Que para se encontrar a felicidade,
Não se pise os que connosco caminham…

Porque a felicidade está com as pessoas,
Porque a felicidade está nos momentos,
Que todos juntos construímos,
E só com os momentos por todos nós criados,
Podemos ser felizes,
Sorrindo,
Atingindo a felicidade…

Porque para se ser feliz,
Precisa-se de amar, quem vive na vida,
Precisa-se de cuidar, quem cria a vida,
Precisa-se de pessoas, que sem elas, não existia vida...



Susana V


sábado, 8 de dezembro de 2012

Sentimento verdadeiro



Não é preciso presença diária,
Para sabermos que existem…

Não é preciso troca de palavras,
Para sabermos o valor do sentimento…

Não é preciso falar constantemente,
Para sabermos que estarão, sempre para nos ouvir…

Não é preciso presença constante,
Para sabermos que são eternos no coração…

Não é preciso tocar,
Para sabermos que estão presentes,
O essencial sente-se, sem tocar,
Sente-se no coração,
Onde se instalam, os verdadeiros amigos,
Onde aí estão sempre presentes…

Numa amizade verdadeira,
Nada é preciso todos os dias,
Quando o verdadeiro sentimento,
Bate todos os dias,
Em dois corações,
Em duas almas,
Numa só amizade,
Naquela que à distância,
Mantém o sentimento puro,
De AMIZADE….

Susana V

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Cada um é diferente...

Cada um que sorri é diferente,
Cada um que chora é diferente,
Cada um que beija é diferente,
Cada um que abraça é diferente,
Cada um que vive é diferente,
Cada um é um ser único…

Cada um é um ser insubstituível,
Neste mundo,
Onde cada um é um ser imperdoável,
De viver,
Mostrando quem não é…

Cada um é dono de si mesmo,
É livre de ser quem é,
Mostrando aos olhos do mundo,
Que é diferente de todos,
E que todos são diferente dele…

Cada um é responsável pela mascara que mostra,
Não sendo responsável pela sua interpretação,
Somente é responsável pela mascara de que é feito,
Não responsável, pela visão,
Que os outros fazem dela,
Não sendo a nossa perfeita mascara,
O nosso EU…

Susana V

Lembranças jamais apagadas

Palavras sentidas
Divagações descabidas
Piadas privadas
Lembranças jamais apagadas

Marcadas nas fitas que marcaram
O fim dos melhores anos passados
De um passado recente
Que me marca com nostalgia
O saudoso presente

Relembro cada pessoa
Percorro cada momento
Ao ler com o maior sentimento
Cada palavra que me escreveram
No adeus de maior dor
Que guardo comigo com amor

Marisa V

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Sete-Luas

Minha boneca de trapos
Que me acompanhas nas noites frias
Que me sorris nos dias de sol

Com quem partilho
As minhas tristezas e alegrias

Quando me sinto feliz
Quando me sinto em farrapos

Tens um toque
De quem me ajudou a criar-te

Ouves-me sem eu falar
Sorris-me
Com essa boca que nada diz
Esses traços que desenhei

Retribuo-te o sorriso
Lembrando-me porque é que te criei

És a minha Sete-Luas
De olhar vazio e transparente
Olhas-me a alma
Descodificas-me a mente

a desassossegada Marisa V

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Ser voluntário é...


Ser voluntário é… 
Andar nos paralelos da compreensão,
Lado a lado com quem, só quer um coração…

Ser voluntário é…
Correr na pista da solidariedade,
Juntamente com quem, só quer uma amizade…

Ser voluntário é…
Saltar no trampolim da alegria,
Com quem, só quer sorrir dia após dia…

Ser voluntário é…
Escorregar no escorrega da humanidade,
Acompanhado com quem, só quer um momento de felicidade…

Ser voluntário é…
Baloiçar no baloiço do carinho,
De mãos dadas com quem, só quer um miminho…

Ser voluntário é…
Dar o que se tem,
Sem esperar nada de ninguém …

Ser voluntário é…
Ter coração disponível para amar,
Quem só quer ser amado,
Tal como é…

Ser voluntário é…
Ouvir outro coração…

Susana V

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Cresci porque vivi...

Mudei porque amadureci,
Com tudo o que vivi…

Mudei porque cresci,
Com todas as pessoas que conheci…

Mudei porque aprendi,
Com todos os erros que cometi…

Mudei com as chapas sem mão,
Da vida, que a mim me foi dada,
Mudei com as cabeçadas no chão…

Mudei com as escorregadelas sem cair,
Da vida, que a mim me ensinou a viver,
Mudei com as armadilhas que caí, sem querer...

Mudei com a vida,
Aquela que mais chapadas nos dá,
Mudei com o mundo,
Aquele que mais voltas dá...

Mudei porque, não tive medo de viver,
Mudei porque, não tive receio de aprender,
Mudei porque, não tive assustada por perder,
Mudei porque, não perdi a vontade de vencer...

Mudei e mudo,
A cada dia que vivo,
Mudei e mudo,
Amadurecendo a cada ano que vivo...

Mudei porque amadureci,
Amadureci porque cresci,
Cresci porque vivi,
Sem medo de aprender,
A viver...

Susana V

Quero te escrever poemas de amor

Quero te escrever poemas de amor
Vaguear no teu roupão
Em teu redor

Quero te dar o meu coração
Num dia passado na cama
Cobertos com o cobertor
Perfumado de paixão

Quero encher-te de beijos
Perdida nos teus braços,
Minha manta de carícias

Quero ver o mundo
Através desse meu teu olhar
Profundo
Como profundo é o horizonte

Tu és o meu horizonte
Para onde caminho todos os dias
Ansiosa por mais um abraço
Em que me prendes nesse teu espaço

Onde me alimentas
Onde sacias a minha sede de te ter

Quando me amas com fervor

És a minha fonte de prazer
És o labirinto onde me quero perder

Marisa V

domingo, 2 de dezembro de 2012

Página virada...

Porque depois da tempestade,
Vem a bonança…

Porque depois da nuvem cinzenta,
Vem o sol...

Porque depois da noite,
Vem o dia...

Porque depois do Inverno,
Vem a Primavera...

Porque depois da tristeza,
Vem a felicidade…

Porque depois da lágrima,
Vem o sorriso…

Porque depois da luta,
Vem a vitória…

Porque depois de uma página virada
Vem outra historia contada...

Susana V

sábado, 1 de dezembro de 2012

À deriva…





Navego num barco à deriva,
Levada pelas correntes da vida,
Embrulhada pelos braços das recordações,
Puxada pelas ambições …

Flutuo numa folha perdida,
Levada nas correntes da comunidade,
Embrulhada pelas mãos da saudade
Puxada pelas emoções de felicidade…

Nado num mar desconhecido,
Sem perceber qual o meu destino,
Nado nas águas incolor,
Sem ver para além, dessa que não é cor…

Mergulho num lago perdido,
Sem eira nem beira,
Mergulho sem sentido,
Sem perceber qual o meu destino…


Susana V

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Mundo imperfeito…

No centro do mundo,
Procura-se a humanidade,
No meio das pessoas,
Procuram-se as boas,
No meio da bondade,
Procura-se caridade,
No meio da miséria,
Procura-se alegria,
Para dar,
Comida para ofertar,
E amor para espalhar…

No meio das crianças,
Procuram-se as boas lembranças,
No meio dos velhinhos,
Procura-se novos amiguinhos,
No meio dos estudantes,
Procura-se quais os amantes,
Da vida, em que se é estudante…

No meio da loucura,
Procura-se a normalidade,
No meio do sossego,
Procura-se o desassossegado,
No meio do silêncio,
Procura-se o barulho,
No meio do errado,
Procura-se o correto,
No meio do imperfeito,
Procura-se o perfeito…

No meio do perfeito,
Nada se encontra perfeito,
A não ser, a perfeição imperfeita…



Susana V

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

No silêncio perdido...


Por de trás, de uma janela, 
Existem gotas de água a dançar,
Por de trás, de uma porta,
Existe chuva a cantar…

Para lá, de uma casa quentinha,
Existe um inverno frio,
Para lá, de uma mantinha,
Existe a escrita, que é amiguinha…

Por de trás, da escrita,
Existe um rosto,
Por de trás, de um rosto,
Existe uma pessoa,
Por de trás, da pessoa,
Existe uma personalidade,
Por de trás, de uma personalidade,
Existe a felicidade,
De se ser quem é…

Por de trás, da poesia,
Existem estrofes,
Por de trás, das estrofes,
Existem versos,
Por de trás, dos versos,
Existem frases,
Por de trás, das frases,
Existem palavras,
Por de trás, das palavras,
Existem letras,
E por de trás, das letras,
Existe a marca de quem as escreve…

Por de trás,
Haverá sempre, algo escondido,
No mais profundo, silêncio perdido…



Susana V

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Sonhar é infinito…

Sonhos, estão para lá das nuvens,
São elas que embaciam nosso caminho,
Dificultando nossa chegada,
Ao sonho que cada um, sonha sozinho,
Podendo partilha-lo…

Sonhos, estão para lá do arco-íris,
É ele, que esconde as cores do sonho,
Fazendo com que, cada cabecinha,
Imagine as cores que o decoram,
Podendo deseja-lo…

Sonho a cada dia que vivo,
Sonho olhando para o céu,
Desejando poder nas nuvens tocar…

Sonho a cada dia que acordo,
Sonho observando o arco-íris,
Desejando poder nas suas cores abraçar…

Sonho, para além das nuvens,
Que apesar de grandes são passageiras,
Sonho, para além do arco iris,
Que apesar de belo, não é eterno,
Sonho para além do que é sonhar,
Que apesar de sonhar, acredito,
Que sonhar é  infinito...


Susana V

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Respiro poesia


Vivo dentro de um poema
Com mensagem submersa
Dividida entre o dilema
Da literal e subjetivo

Respiro poesia,
O meu ar cativo
A minha magia
Onde feliz vivo

A cada palavra, um novo verso
A cada verso, uma nova estância
Voo do mundo real ao mundo poético
Abraço a imaginação desregrada, dispersa
Abandono o mundo monótono, ético

Marisa V

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Arte do Amor...


Na dança da lua
Eu danço,
Na musica da noite,
Eu canto,
Na beleza do amor,
Eu amo…

Na luz da lua,
Eu ilumino-me,
Na magia da noite,
Eu fascino-me,
Na arte do amor,
Eu apaixono-me…

Aqui ao luar,
Junto a ti,
Aqui na noite,
Pertenço a ti,
Aqui vive o nosso amor,
A nossa paixão,
Que só pertence a ti,
E a mim…




Susana V

domingo, 25 de novembro de 2012

Escrever para a vida...

Escrever é dar e receber,
É querer oferecer,
Sem ter,
Tudo aquilo que se está a escrever…

Escrever é um gesto banal,
Que todos o exercem,
Somente alguns, fazem do banal,
O fundamental da vida,
Escrever…

Escreve-se um poema quando se vive..
Escreve-se em todos os momentos,
Escreve-se de todas as coisas...

Porque a poesia está nas palavras mais vulgares,
Porque a poesia somos nós que a criamos,
Porque a poesia é chama acesa, de quem não deixa que se apague...



Susana V

sábado, 24 de novembro de 2012

Um dia... Uma hipótese...

Todos os dias vivo com esperança,
De ter a vista da meta, ou ter a meta atingida...

Todos os dias acordo,
Com garra de lutar, pelo amanhã desejado

Todos os dias procuro nos cruzamentos de estradas,
Qual devo seguir,
Para ir em direção, à medalha que um dia vou conseguir…

Todos os dias, são últimas hipóteses de lutar,
Quando não se sabe se o amanhã existirá…

O Amanhã pode não vir,
O ontem não volta,
O hoje, eu vivo,
Como seja a última hipótese de lutar...

Vou lutando como se não houvesse amanhã,
Vou lutando, com medo que o sol adormeça,
E jamais acorde…






Susana V

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Tempestade


O dia está cinzento.
Ultimamente todos os dias estão cinzentos.

O vento sopra lá fora
Como que a varrer os meus sonhos.

O vento já não tem soprado muito.
Mas a chuva,
Ai a chuva ameaça cair
Daquelas nuvens escuras
Que enublam os dias.

As nuvens
Estão cada vez mais fortes
Vão-se acumulando,
Vão parecendo umas daqui, outras dali.

As nuvens,
São nuvens de todos
Que me afectam
Cada uma à sua maneira.

As nuvens
São cada vez mais
E cada vez mais escuras.

As nuvens
Não devem tardar a rebentar,
Deitar toda a chuva
Que têm vindo a acumular.

Ai chuva!
Vem chuva lavar-me a alma!

Ai chuva!
Não gosto de chuva
Nunca gostei de chuva.

Prefiro secar aquelas gotas frias,
Tão frias que me cortam a pele,
Que me causam tanta dor.

Prefiro aquecer-me num dia de sol!
Um sol quente de Verão
Não um sol de Inverno
(Que como diz a canção)
Que não trás calor.

Sol
Um sol quente
Um sol vibrante que faça sorrir.

Sol
Um sol quente
Que surja por detrás de um arco-íris colorido
Que venha afastar a chuva triste
Que insiste em cair.

Marisa V

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Chuva


"As coisas vulgares que há na vida
Não deixam saudades
Só as lembranças que doem
Ou fazem sorrir

Há gente que fica na história
da história da gente
e outras de quem nem o nome
lembramos ouvir

São emoções que dão vida
à saudade que trago
Aquelas que tive contigo
e acabei por perder

Há dias que marcam a alma
e a vida da gente
e aquele em que tu me deixaste
não posso esquecer

A chuva molhava-me o rosto
Gelado e cansado
As ruas que a cidade tinha
Já eu percorrera

Ai... meu choro de moça perdida
gritava à cidade
que o fogo do amor sob chuva
há instantes morrera

A chuva ouviu e calou
meu segredo à cidade
E eis que ela bate no vidro
Trazendo a saudade."



Mariza

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Luta por ti...

Quem tem sonhos,
Tem um dia concretizações…

Quem tem concretizações,
Teve um dia sonhos…

Porque quem é sonhador, é concretizador...
Porque quem não sonha, nunca será criador…

Porque quem sonha, luta,
Quem luta, pode vencer,
Quem vence, será feliz…

Porque os sonhos movem-nos
Para o nosso divino lugar,
A felicidade…

Porque a felicidade,
Depende de cada um de nós,
Luta por ela lutando por TI

Porque Tu,
És diferente de todos
E todos são diferentes de ti...

Porque a felicidade,
É uma só palavra, tendo vários significados,
Cada um constrói o seu,
Lutando pela sua...

Porque o sonho,
Não é real,
Mas é o fundamental,
Para se tornar real,
Passando de sonho,
A Futuro rizonho...

Porque quem sonha,
Não é sonhador,
Mas sim o futuro construtor,
De um sonho sonhado,
Amanha realizado,
Na sua vida passada sonhado,
Hoje festejado...





Susana V

domingo, 18 de novembro de 2012

Eternidade do Sol

Quando a chuva passar,
O tempo descobrir,
O sol brilhará,
E eu voltarei a sorrir…

Quando o vento acalmar,
A poeria assentará,
O ar acalmará,
E eu voltarei a sonhar…

Quando a trovoada terminar,
O barulho findará
O céu descansará,
E eu voltarei a imaginar …

Quando a tempestade acabar,
O tempo brilhará
O dia descobrirá,
A vontade de lutar…

Quando a chuva passar,
Voltarei a acreditar,
Quando o vento acalmar,
Voltarei a sonhar,
Quando a trovoada terminar,
Voltarei a imaginar,
Quando a tempestade acabar,
Voltarei a lutar,
Pela eternidade do brilho do sol…

Eternidade do sol se deseja,
Como a luz da felicidade se festeja,
A cada dia que o sol espreita,
E o céu se enfeita,
De luz....



Susana V

sábado, 17 de novembro de 2012

Por onde passo

Nas ruas
Por onde passo
Procuro incansável
O teu olhar

Num recanto escondido
Num grande espaço
Anseio por te encontrar
Mas tu não estás em nenhum lugar

Trago-te sempre comigo
Onde quer que esteja
Guardado na memória
Do meu coração

Mas não há dia em que te encontre
Não há rua onde te veja

Marisa V

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Ser Amigo é...


"Ser amigo...não é só escutar...é também compartilhar
É acender a luz..... para que a felicidade possa brotar.
Ser amigo é manter sua presença mesmo na ausência.
Pois ele acompanha a trajetória da vida com paciência.

E para o caminho da realidade...tenta nos encaminhar.
Ser amigo é ser apoio,quando o chão nos parece faltar.
Ser amigo é ter lenço, para enxugar as lágrimas de dor.
Ser amigo é amar........independente da raça ou da cor."

Maria Ferreira da Cruz Martins Afonso


Escrever é ser

Escrever é ser
Maior
É ir mais além

Escrever é ser
Transparente
É dizer o que me vai na mente

Escrever é ser
Como uma estrela cadente
Que brilha e faz sonhar
Num tom altivo
Numa queda gloriosa
Nunca decadente

Escrever é ser
Um todo sem nada
Mais que palavras

Escrever é dizer
Sem falar
O sentimento
Que não consigo explicar
Que sinto a escrever


segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Vive quem...

Vive quem...
Não espera pelo caminho certo,
Traça-o...

Vive quem...
Não aguarda a felicidade,
Conquista-a...

Vive quem...
Não espera pelo destino,
Cria-o...

Vive quem...
Não aguarda o dia radioso,
Vive iluminando todos os seus dias,
Com vontade de:
Traçar,
Conquistar,
Criar,
O seu sonho....

Vive quem...
Luta escolhendo seus caminhos,
Consquistando seus sonhos,
Vive quem,
Vive a vida,
Aberto para receber,
Disponível para dar...

Vive quem,
Vive disponível para viver...


Susana V

Não vale a pena chorar

Dei por uma lágrima solitária
A escorrer pelo meu rosto

Fugia da sua dor,
Fugia do seu posto

Não quis deixar-me cair
Como aquela lágrima caía
Limpei-a,
Sorri

Porque não vale a pena chorar
Por quem está a sorrir,
Porque não vale a pena sofrer
Por quem não exitou em partir

Marisa V

domingo, 11 de novembro de 2012

O grito do meu coração

Não acredites nas minhas palavras
Não acredites nas minhas acções
Palavras voam e perdem-se
Acções passam e esquecem-se

Acredita no meu olhar
Naquele que te pede para me beijares
Acredita no meu sorriso
Que te pede o abraço
De que tanto preciso

Ouve o meu coração
Que salta palpitante
Quando passas por mim
E ficas por um instante

Ouve o grito do meu coração
Que pára quando partes
A chamar-te para voltares e acendê-lo
Com esse teu charme
Com esse teu jeito

Reacendes o fogo da paixão
Ressuscitando o meu coração
Que palpita excitado dentro do meu peito

Marisa V

Dotados para Vencer...

A vida é matreira,
Cria armadilhas,
Parece uma feiticeira,
É traiçoeira…

Olho para o lado,
Vejo as armadilhas,
Vejo como a vida é matreira,
Olho para o lado,
Vejo armadilhas,
Piores que as minhas…

Olho e vejo,
Que os mais armadilhados lutam,
Sem perder as forças,
Olho e vejo,
Outros que com tão poucas armadilhas ficam,
Parados,
Esperando, sei lá o quê,
Esperando que alguém lute, por eles?!

Olho e vejo,
Que quem pior pode,
É quem mais luta dá,
À feiticeira,
À grande matreira,
Que a todos nos coloca à prova…

Olho e vejo,
Que todos somos dotados,
Para vencer,
Porém nem todos tem o poder,
Par lutar até vencer…

Olho, vejo,
Penso e reflicto,
Sobre a feiticeira,
Que a todos enfeitiça,
De uma forma diferente,
Mas sempre presente,
Em cada um, que ela enfeitiça…

Cada um tem suas armadilhas,
Porém nem todos tem força para lutar,
Porém nem todos tem motivos para desistir,
Cada um tem suas armadilhas,
Pelas quais tem de agir,
Se quer delas sair...


Susana V

sábado, 10 de novembro de 2012

Cheia do vazio

Estou cheia do vazio
Que me enche todos os dias
De quem vive na escuridão
E não acredita em magias

Estou cheia de mim
Farta de ficar assim
Só e perdida
Sem encontrar o fim
Do caminho monótono

Estou cheia das frustrações
E de todas as pressões
Do dia a dia, desgastante

Esvazio o meu mundo
Quero parar por um segundo
Acreditar por um instante
Que devo acreditar
Que a magia há-de vingar
E o meu dia há-de chegar

Marisa V

Quem Morre?

"Morre lentamente quem não viaja,
quem não lê, quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo...

Morre lentamente quem se transforma em
escravo do hábito, repetindo todos os dias os
mesmos trajetos, quem não muda de marca,
não se arrisca a vestir uma nova cor ou não
conversa com quem não conhece...

Morre lentamente quem evita uma paixão,
quem prefere o negro sobre o branco e
os pontos sobre os "is" em detrimento de
um redemoinho de emoções justamente as que
resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa
quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto
para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos
uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente, quem passa os dias
queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.

Morre lentamente, quem abandona um projeto
antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto
que desconhece ou não responde quando lhe
indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige
um esforço muito maior que o simples fato de respirar.
Somente a perseverança fará com que conquistemos
um estágio esplêndido de felicidade".

Pablo Neruda

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Há palavras que nos beijam

Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

Alexandre O'neill

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Arte de Viver...


Escrever é dar voz ao coração,
Grito à alma,
E asas à imaginação…

Escrever é oferecer vida ao lápis,
História ao papel,
E sentido à vida…

Escrever é doar a ti,
O que há em mim,
Querendo partilhar parte de mim,
A ti…

Escrever é paixão,
Que se ganha,
A cada estrofe escrita,
Por mim sentida…

Escrever é dar o que se tem,
Ao papel que ouve,
Sem questionar,
Ao papel que lê,
Sem reclamar,
Ao papel aconselha,
Mesmo sem falar,
Ao papel que te faz pensar,
Não precisando de boca para te ajudar,
Mas somente espaço para desabafar….

Escrever é arte de viver...






Susana V

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Devaneio da minha verdade


Perco o controlo
Perco-me do mundo
Encontro-me em mim

Numa melodia Rock & Roll
Apartada da violência
Que lhe está rotulada
Entrego-me à minha a essência
Volto às minhas origens

Por mais caminhos que corra
Por mais que me reinvente
Serei sempre original
Terei sempre um lado roqueiro
Escondido na minha alma
Ecoando no meu ouvido

É um estado de ansiedade
Que me acalma
É um devaneio da minha verdade

Marisa V

domingo, 4 de novembro de 2012

Maior Força...

Queria dar te um presente!
Mas.. esqueci-me como se embrulha,
Um beijo...
Para ver alguém alegre a desembrulhar...

Queria dar-te uma lembrança!
Mas... esqueci-me como diminuir,
Um abraço,
Para caber numa caixa surpresa...

Esqueci-me de embrulhar,
O que não tem embrulho,
Um beijo que significa, que te quero amar...

Esqueci-me de diminuir,
O que não se diminui,
Um abraço dando te motivos para sorrir...

Um beijo não se embrulha,
Dá-se desembrulhado,
Um abraço não se diminui,
Oferece-se na sua maior força...

A melhor prenda não é o embrulho,
Não é a caixa de surpresa,
É o amor com que se dá,
O que o dinheiro não compra,
Nem nunca comprará,
Os gestos...





Susana V

Fado português

Há fadista sem poeta?
Há poeta sem tristeza?
Há tristeza sem fado?

Neste fado português
De tão grande altivez
Ser cantado a contar
Sua história,
Sua tristeza,
Sua glória,
Sua firmeza

Marisa V

ps: tinha este poema guardado e não resisti a publicar assim que li o da Susana V, Garra de Fadista

sábado, 3 de novembro de 2012

Garra de Fadista...

As cordas da guitarra,
Vibram a cada movimento,
Impulsionado pelos dedos,
Movidos pelo pensamento,
De quem canta com garra…

A voz de quem canta,
Vibra a cada palavra dita,
Impulsionada pelo coração,
Que sente o que grita,
Com uma eterna emoção…

A letra que alguém interpreta,
É livre de ser interpretada,
Por quem, sentado,
Assiste ao espetáculo que é o fado…

Acompanhado pelas cordas de uma guitarra,
Suando pela voz de um fadista,
Libertando uma canção, com garra,
Que admiram os que assistem
À libertação do fado,
De que é feito o artista…

Fado que é vivo,
Na alma do fadista,
É fado vivo,
No palco de quem é artista…

Susana V

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Vazia

Não sei se um dia saberei
Por que partiste
Não sei se um dia saberei
Por que fugiste

Nessa noite de tempestade
Sem um adeus
Sem bondade
Me deixaste

Naquela casa vazia
Vazia minh'alma
Chorou até ser dia

E dia após dia esperei
Dia após dia chorei
Dia após dia esperei

Sem saber o que te levou
Sem saber o que te mudou

Sem saber se quero saber
Sei que sou
Uma alma de lágrimas
Vazia

Marisa V

terça-feira, 30 de outubro de 2012

(A)venturas

Conheci-te por ventura
E ventura me trouxeste
Nesta aventura
Que foi estar contigo

A ventura nos separou
Guiando-nos para outras aventuras
Diferentes e distantes

É cada um por si,
Sempre foi cada um por si
Cada um com a sua ventura
Cada um na sua aventura

Se nos cruzamos por ventura
Na mesma aventura momentaneamente
E por ventura se nos voltarmos a cruzar
Será uma aventura diferente

Marisa V

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Vida de poesias

Depois de dias adormecida
Vem fervorosa a imaginação
Depois de dias escondida
Num recanto do coração

De lápis e papel na mão
Me entrego a ela
Com a alma cheia de sentimento
Desfrutando deste momento
Que é ser a escrever
Que é escrever com a emoção
Do regresso de uma paixão

Minha poesia da vida
Numa vida de poesias
Que me correm nas veias
Aquecendo-me o corpo
Outrora adormecido, despertou
Dizendo-me quem sou

Marisa V

Vida ganha-se…

Dos dias que vivo,
Tiro fotografias,
Dos meses que vivo,
Crio memórias,
Dos anos que vivo,
Faço um filme,
O filme do que vivo…

Da vida que vivo,
Subtraio tristezas,
Multiplico alegrias,
Somo memórias,
Igualando a histórias,
As histórias do que vivo…

Filme eu faço,
História eu crio,
Vida eu ganho,
A cada fita enrolada,
A cada pagina virada...

Susana V

sábado, 27 de outubro de 2012

Vazio em mim...

Sinto um vazio em mim,
Angustiando meu dia,
Untado meu corpo de saudade,
Daquela vida que vivi,
Alegre, em plena felicidade,
Dedicava-me trabalho de estudante,
E aí estava feliz…

Deito hoje, gotinhas de água doces, no meu rosto amargo pelo vazio,
Aquelas que saem na dança da saudade…

Foram os dias mais felizes da minha vida,
Aqueles que vive na minha segunda casa,
Movimento nela existia, dança, musica e muita alegria,
Inigualáveis momentos jamais existiram,
Livremente escolhi-a, para ser minha segunda casa,
Intimamente
Amei-a e amo…

Escola a quem eu deixei um pedaço de mim,
Saudade o que ela hoje deixa em mim,
Coração cheio de memórias por causa de ti,
Olhos cheios de água quando peço em ti…

Susana V

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Ser poeta é...

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhas de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dize-lo cantando a toda a gente!

Florbela Espanca



domingo, 21 de outubro de 2012

Um dia...

Um dia subo a uma montanha,
E canto…

Um dia subo a uma casa,
E toco…

Um dia subo a uma árvore,
E assobiou…

Um dia subo a uma nuvem,
E grito…

Um dia subo há única lua,
E puxo-te…

Um dia enrolada nos teus braços,
Eu sussurro-te…

Um dia sentada ao teu colo,
Eu beijo-te…

Um dia roca de tanto cantar,
Ofereço-te a música escrita, nas palmas da minha mão...

Um dia cansada de tocar,
Dou-te as batidas do meu coração…

Um dia afónica de tanto gritar,
Ofereço-te os gritos sinceros dos meus olhos

Um dia,
Duas pessoas,
Um amor,
Duas vidas,
Uma única paixão,
A nossa…

Susana V

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Passado, presente, futuro


De tanto pensar passei
Dias perdidos a desejar
Pelo que um dia passei
Pelo que hoje esse passado
Pelos dias que já não são dias

Num regresso ao presente
Abandono o que fazia
Restando a doce recordação
Sempre presente no coração

Já foi muito por que passei
Muita gente que por mim passou
Foi tanto que me dediquei
A tudo o que me conquistou

Não sei se o que marca e parte
Desaparece para sempre
Deixando-me como criança
A quem lhe foi tirado um presente

Vivo no presente
Com todos os sorrisos que de dá
Saudosista do passado
Que jamais voltará
Com a esperança que o futuro
Seja bom e sorridente

O passado é feito de recordações
O futuro é feito de ilusões
Por isso vivamos o presente
E as suas paixões

Marisa V

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Não há estrelas no céu

Não há estrelas no céu a dourar o meu caminho,
Por mais amigos que tenha sinto-me sempre sozinho.
De que vale ter a chave de casa para entrar,
Ter uma nota no bolso pr'a cigarros e bilhar?

A primavera da vida é bonita de viver,
Tão depressa o sol brilha como a seguir está a chover.
Para mim hoje é Janeiro, está um frio de rachar,
Parece que o mundo inteiro se uniu pr'a me tramar!

Passo horas no café, sem saber para onde ir,
Tudo à volta é tão feio, só me apetece fugir.
Vejo-me à noite ao espelho, o corpo sempre a mudar,
De manhã ouço o conselho que o velho tem pr'a me dar.

A primavera da vida é bonita de viver,
Tão depressa o sol brilha como a seguir está a chover.
Para mim hoje é Janeiro, está um frio de rachar,
Parece que o mundo inteiro se uniu pr'a me tramar!

Hu-hu-hu-hu-hu, hu-hu-hu-hu-hu.

Vou por aí às escondidas, a espreitar às janelas,
Perdido nas avenidas e achado nas vielas.
Mãe, o meu primeiro amor foi um trapézio sem rede,
Sai da frente por favor, estou entre a espada e a parede.

Não vês como isto é duro, ser jovem não é um posto,
Ter de encarar o futuro com borbulhas no rosto.
Porque é que tudo é incerto, não pode ser sempre assim,
Se não fosse o Rock and Roll, o que seria de mim?

A primavera da vida é bonita de viver,
Tão depressa o sol brilha como a seguir está a chover.
Para mim hoje é Janeiro, está um frio de rachar,
Parece que o mundo inteiro se uniu pr'a me tramar!
Não há-á-á estrelas no céu...

Rui Veloso


domingo, 14 de outubro de 2012

O dia mais belo...

"O dia mais belo: hoje
A coisa mais fácil: errar
O maior obstáculo: o medo
O maior erro: o abandono
A raiz de todos os males: o egoísmo
A distração mais bela: o trabalho
A pior derrota: o desânimo
Os melhores professores: as crianças
A primeira necessidade: comunicar-se
O que traz felicidade: ser útil aos demais
O pior defeito: o mau humor
A pessoa mais perigosa: a mentirosa
O pior sentimento: o rancor
O presente mais belo: o perdão
o mais imprescindível: o lar
A rota mais rápida: o caminho certo
A sensação mais agradável: a paz interior
A maior proteção efetiva: o sorriso
O maior remédio: o otimismo
A maior satisfação: o dever cumprido
A força mais potente do mundo: a fé
As pessoas mais necessárias: os pais
A mais bela de todas as coisas: o amor."

Maria Teresa de Calcutá

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Amizade verdadeira


Num mundo onde tudo é incerto
É bom ter como certo
A amizade incondicional
De quem me apoia
Sem se questionar

Uma amizade que cresceu
Sem dar conta
E que tanto me faz bem
Por todas as vezes que me protegeu

Amizade que perdura
Apesar da distância
Tão ingrata e tão dura
Que me afoga em saudade

Amizade verdadeira
Que não precisa da presença constante
De um convívio diário
Para estar em sintonia
Para estar disponível

É uma amizade feita de entrega
De predisposição
Para momentos de distração
E de muita compreensão

Sem quaisquer pudores
Partilha de sorrisos
Troca de conselhos
Ou só um ombro amigo
E um ouvido para me escutar
Sem qualquer troca de favores

Troca de sentimentos
Numa singular união
Marcada pela distância
Que acalma qualquer ânsia
Que anima qualquer momento

Marisa V

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Por ti criado…

O mundo é como um espelho,
Que devolve a cada pessoa,
O reflexo de seus próprios,
Pensamentos e atitudes,
É um grande espelho,
Que reflete a essência de cada pessoa,
Onde oferece suas virtudes,
Onde aponta seus defeitos,
Onde apresenta quem és,
No mundo, onde cada um,
Deve viver sendo quem é…

O mundo é como um espelho,
Que oferece, o que lhe é dado,
Somente a forma como cada um,
Encara e vive a vida,
É que faz mudar,
A imagem que o mundo oferece…

O mundo é um espelho,
Por ti criado,
Se não gostas do teu espelho,
Muda o que até aqui lhe foi dado…






Susana V

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Incógnita…


Cada um de nós escolhe,
Seus próprios caminhos,
Aqueles que cada um colhe,
Sua própria terra,
Suas próprias pedras,

Que cobrem seus próprios caminhos…
Cada um tem o direito,
De escolher o caminho,
Que quer traçar,
Não escolhendo as pedras,
Que terá que saltar,
Para até à meta chegar…

Cada um procura,
O caminho que para si é o melhor,
Sabendo a sua medalha,
Não sabendo a batalha,
Que o espera…

Cada um de nós,
Vive numa incógnita constante,
Começando pela vida,
Que muda a cada passo dado,
No caminho incógnito,
Não sabendo, o que nele se irá passar,

No chão torto ou direito,
Deixando cada um na incógnita,
Do que irá pisar,
Terminando em nós,
Que nos moldamos,
Consoante o chão que pisamos…

A vida é uma incógnita,
O caminho é uma posta,
O chão é um mistério,
E nós uns exploradores,
Explorando a vida,
Vivendo na incerteza,
Lutando por uma certeza… 

Susana V

Amar-te é banal

Se te amo?
Amar-te é banal
Com tanto sentimento que tenho
Com tanto que mexes comigo

Amor é pouco
Para olhar tão profundo
Com que me queimas
De paixão

Paixão é coisa passageira
Diz que o amor é que é eterno
Mas neste tempo moderno
Amor é tão vulgarizado
Quão o disco mais rodado

Rodo e torno a rodar
Por mil emoções
Que me enchem de tentações
Numa sede de te ter
Numa fome de me prenderes

Neste sentimento singular
Que é só nosso
E só por nós entendido
Um amor para além da paixão
Uma paixão para lá do desejo
Um desejo de amar

Amar
Amar, toda a gente ama
Eu amo-te para além do amor
Banalizado pelo senso comum
Eu amo-te para além do amor
Neste incenso que vem da chama
Que arde com a nossa união
Que é muito mais que amor e paixão
É fogo, é carinho,
É desejo, é tentação
É tudo num turbilhão de amor
Muito para além de amar

Marisa V

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Vivo rodeada de fantasmas

Vivo rodeada de fantasmas
Os fantasmas do passado
Visitam-me todas as noites
Mas não me importo.
Até gosto.

Gosto infantilmente
De viver uma vida paralela
No mundo dos sonhos.
É uma vida sonhada e desejada
Que me faz acordar feliz

O pior é os fantasmas do presente,
Com os quais tenho que lidar
Todos os dias

Estão por todo o lado
A cada passo dado,
A cada esquina virada,
Nas entrelinhas de cada conversa,
Por detrás de cada pessoa.

Tenho fantasmas porque tenho medos!
E o que são os fantasmas se não medos?!
O medo de jamais ter
O que me enche a alma de saudades
Do que foi um passado bem passado.

O medo de cada palavra mal dita ou interpretada,
O medo de cada olhar cruel,
O medo de ser vaiada ou criticada
A cada dia que passa,
O medo do que virá,
Do futuro incerto
Em que a dificuldade é o mais certo

O futuro
O futuro terá sempre fantasmas
O futuro é o maior dos fantasmas
Porque é aquele que não conheço.

Marisa V

Silêncio da noite….

No silencio do barulho,
Dou liberdade ao cabelo,
Desamarrando-o do elástico,
Que o prende,
Não deixando-o ser livre,
Na sua própria casa,
Que lhe pertence…

No silencio do barulho,
Abro a porta da tranquilidade,
À mãe do corpo humano,
A cabeça,
Que durante o dia trabalha,
E à noite sonha com a sua felicidade…

No silêncio do barulho,
Fecho as janelas que veem,
As cores do dia,
As que agora veem,
Somente a cor da noite…

No silêncio do barulho,
Meu cabelo dança,
A cada sonho de musica,
Meus olhos cantam,
A cada sonho de dança,
Minha cabeça sonha,
A cada sonho que sonho…

Até que o silêncio do barulho,
É acordado pelo barulho do silêncio,
Abrindo as cortinas do barulho,
Fechando a janela do silêncio,
Abrindo a porta do dia,
Fechando as precianas da noite…


Susana V

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Jogo de omitir

Caos
Tempestade
Medo da verdade

Mentiras
Segredos
Quem esconde tem medos

Todos temos segredos
Todos temos medos

Há sempre algo a esconder
A verdade nunca é verdade

A verdade é uma parte real
De um todo imaginado
Na ilusão da verdade

Num jogo de omitir
Vivemos a verdade
A esconder o sentir

Nada é completamente transparente
Todo o vidro se embacia
Todo o vidro pode quebrar

Vivemos embaciados
Vivemos com medo
Do nosso vidro quebrar
De deixar a máscara cair
De se sentir exposto
De ter o seu segredo
Escrito no rosto

Marisa V

domingo, 7 de outubro de 2012

Raptaste-me …

Neste dia, pelo sol iluminado,
Levaste-me,
Nesta tarde pela luz encarnada
Rapaste-me…

Nesta fim de tarde,
Surpreendeste-me,
Neste momento de dia,
Ofereceste-te,
Para me cuidares
E para sempre me amares…

Pegaste em mim,
E levaste-me,
Para junto de um espelho,
Naquele em que aparecemos agarradinhos,
Como um casal de pombinhos…

Agarras-te em tua pombinha,
E raptaste-a,
Para a beira do lago,
Junto de um espelho encantado,
Naquele em que se reflete,
Um casal enamorado…

Debaixo do sol,
Agora a pôr-se,
Por cima da terra firme,
Agora prensada pelo nosso peso,
Em frente ao lago,
Agora perdendo o brilho do sol,
Tu, sussurras-me ao ouvido,
Dizendo: Quero para sempre ficar contigo…





Susana V

sábado, 6 de outubro de 2012

Deixemo-nos estar


Xiu…
Não digas nada
Deixa-te estar,
Deixemo-nos estar

Vamos fingir que o mundo parou
Vamos ficar refugiados
Neste nosso mundo
Onde somos só um

Por debaixo dos lençóis quentes
Entregues um ao outro
Unidos no mesmo corpo
Numa dança sensual
Que só nós sabemos dançar

Dancemos até amanhecer
Numa dança sensual
Dançada por quem ama

E quando amanhecer,
Deixemo-nos ficar
A respirar este ar
Que paira sobre a nossa cama
Perfumado de amor
E nos absorve numa nuvem
De paixão e querer

Eternizar este momento
Permanecer neste lugar
Onde nos completamos
Onde redescobrimos o que é amar

Marisa V

Um só momento

Os pormenores da vida,
Despertam-nos para o conceito,
Que é constituída a vida:

De pequenos gestos:
Um beijo repuxado,
Um abraço apertado,
Uma flor dada,
Ou uma simples palavra prenunciada…

De pequenas atitudes:
Uma mão estendida,
Uma prenda oferecida,
Uma mensagem diária
Ou uma simples acção solidária…

De pequenas memórias:
Umas amizades criadas,
Umas aventuras realizadas,
Umas conversas engraçadas,
Ou uma simples tarde de gargalhadas…

De pequenos momentos:
Onde habitam os gestos,
Onde residem as atitudes,
E onde moram as memórias,
Que formam mil histórias,
Em cada vida repleta de vitórias...

De pequenos momentos vividos,
Forma-se um só momento,
A vida...

Susana V

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

O coração cedeu

Fecho os olhos e consigo ver
Aquele corpo nu
Deitado em cima da cama
Envolto de uma sensualidade
Que me provoca,
Que me chama

Faz-me querer ir até si
Faz-me querer percorrer
Cada traço do desejo
Com um doce beijo

É algo diferente
Do que estou habituada a sentir
Este novo sentimento
Que me custou a aceitar,
A que me estou a habituar

Não sei bem explicar
Como isto aconteceu
De um momento para outro
Todo este desejo apareceu

Tentei nega-lo
Tentei afastá-lo
Do meu pensamento
Com medo de sofrer

Não consegui
A verdade é que quanto mais negava
Mais ele evoluía
Quanto mais o afastava
Mais ele me preenchia
As horas, os dias
A vontade

E depois de lutar contra a vontade
Rendi-me ao sentimento
O meu coração cedeu
O sofrimento desapareceu

Marisa V

Sou da vida...

Sou um pouco de todas as pessoas que conheci,
Um pedaço de lugares que visitei,
Um bocadinho das saudades, que a alguém deixei…

Sou recheada de aventuras que vivi,
Um pedaço de todos os momentos que vivenciei,
Um bocadinho de lágrimas que já deitei…

Sou preenchida de coisas que errei,
Com outras que acertei
E com muitas que conquistei…

Sou produto da vida que vivi,
Colocando no meu caminho, pessoas que conheci,
Levando-me a momentos que nunca esqueci…

Sou o barro moldado pela vida,
Aquela que me dá asas para voar
Pernas para andar,
Braços para alcançar,
E coração para amar…

Sou fruto do  meu passado marcado,
Do meu presente conquistado…




Susana V

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Aceitar


Sorrio para a vida
Sem medos do que possa acontecer
Longe dos preconceitos
Que possam aparecer

Sou livre para ser quem sou
Não quero saber
De palavras, olhares
Que me queiram atingir

Ignoro o defeito da sociedade
Sedenta de preconceito
Que rotula sem pensar
Naqueles que vai atingir,
Naqueles que vai magoar

Ninguém é perfeito,
Ninguém é igual
Concordando ou não
Devemos aceitar
Cada ser de forma igual

Devemos aceitar
Cada diferença,
Cada crença,
Cada ser

Eu aceito
Eu respeito

Há coisas que podem custar
Mas temos que nos habituar
Às novas condições
Que a vida nos impõe

Temos que nos aceitar
Estar bem connosco
Para aceitar o outro,
Lidar com novas situações

Marisa V

Mundo das letras...


Num mar de letras, 
Escondo-me,
Num lago de palavras,
Encontro-me,
Num rio de quadras
Liberto-me …

Num deserto de silabas,
Procuro a silaba tónica
Num jardim de frases
Procuro o frase simples,
Num campo do alfabeto
Procuro a poesia…

Na escrita poética,
Procuro o desabafo
Nas letras que junto,
Procuro fazer história,
Nas frases que completo,
Procuro recordar memórias,
Nas quadras que crio,
Procuro a voz do coração,
Aquele que é o artista da criação…

Em tudo procuro,
Não sabendo ao certo, o que tanto procuro,
Em tudo encontro,
Não sabendo ao certo, o que encontro,
Em tudo que procuro, encontro,
Um sinal de escrita,
Que nem procuro, nem encontro,
Aparece, consoante a escrita,
Que flui, como uma nascente viva…





Susana V

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Macha perdida...

Passas-te teu pincel, no meu papel branco,
Riscando-o com traços firmes,
Inclinados como a vida,
Minuciosamente desenhas-te , a alegria da tua vinda
Ao país natal, à terra mãe...

Esperança possuía, em um dia ter a tua cor, a decorar meu papel
Sempre acreditei na tua vinda,
Partiste um dia, sem deixar uma macha de tinta,
Esperei eu e a folha, pela tua tinta,
Remei sozinha para encontrar a macha que me faltava,
Orientado meu desenho, que sem ela não terminava
-
Terminas-te o desenho e voltas-te a partir,
Escrevendo no sol radioso: “A macha perdida foi encontrada e jamais deixada …”


Susana V´

Uma noite, um sonho…

Nesta noite estrelada,
Onde meu candeeiro é a lua,
E meu banco é a nuvem,
Sonho poder ter-te sentado,
Ao meu lado…

Fazendo de uma noite estrelada,
A uma noite encantada,
Pela tua essência deitada,
No algodão da nuvem,
Que aquece meu coração,
Nesta noite onde a escuridão,
É assustada pela luz da paixão…

Enroscada sonho,
No meu banco enfeitiçado,
Pelo cupido do amor,
E a fada da paixão,
Aquela que é acesa pela luz da lua,
Cuidada pelo aconchego da nuvem,
E alimentada pela força do coração…

Sonho uma noite,
Ter-te aqui,
Junto a mim,
Iluminados pela lua,
Aconchegados pela nuvem,
As testemunhas do amor,
Que eu tenho por ti,
E tu por mim…


Susana V

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Sentimento que me descontrola

Quem eu sou?
O que quero?
Porquê eu?
O que me irá acontecer?

São tantas as perguntas
Que me enchem a cabeça
São nenhumas as respostas
Que aparecem

Tenho sentido coisas diferentes
Sentimentos que, apesar
De já me terem provocado
O desejo e coração,
Agora estão mais intensos

Sinto mais intensamente
O que não sei se é sentir

Não consigo deixar de pensar
Nesse sentimento que me descontrola
Que me desorienta

Tento encontrar uma orientação,
Quero encontrar a minha orientação
Descobrir se é só uma
Ou se tenho duas orientações
Que me preenchem o coração
Que me provocam novas sensações

Só queria perceber
O que estou a sentir
Só queria saber
Como devo de agir

Abrir-me e falar,
Desabafar
Esta minha angústia.
Será esta a melhor opção?

Ou será melhor esperar
Ver o que acontece
Deixar rolar os sentimentos
Confusos que me atormentam

Se falar não devo ser compreendida
Eu preciso de compreensão
Preciso de uma palavra que me diga
Que não devo ter vergonha do que sou
De alguém sem preconceitos
Que me apoie na minha condição
Seja ela diferente, ou não

Marisa V