sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Choro para dentro

Sozinha no meu íntimo
Deixo cair a máscara de ferro
Que carrego

Abro a alma ao papel
Deixo-me relaxar
No sentimento
Que me pressiona

Longe do mundo
Solto o cabelo
Liberto-me da trança apertada
Que amarra as lágrimas da emoção
Que entrelaça os flaches da recordação

Sou uma sensível oculta
Que não consegue sentir
Exposta a olhares

Sou uma sentimental escondida
Que não consegue esquecer
Os mais importantes olhares

Sou uma barragem dura
Que luta para segurar
As lágrimas que teimam em aparecer
No canto do olho
Sensível à inocência pura

Choro para dentro
Inundo o meu coração
De lágrimas salgadas
Provocadas por aquela história alheia
Despertadas por uma saudade pessoal
Tocadas pelo toque no coração
Que me expõem perante mim
Que me corrói por dentro
E me estremece por fim

Marisa V

2 comentários:

Abre a tua alma...